sexta-feira, 22 de junho de 2007

Musica é perfume, Cerveja alimento


Boêmia, estado paradoxalmente intenso.
Alcoólico, Bucólico, melancólico e denso.
A cerveja gelada traz um clima propenso.
Resenhando sobre assuntos diversos, penso.
A embriaguez inebria meu pensamento.
O Spleen* é obrigatório neste dia cinzento.
O jazz que ouço me toca quem o toca tem talento.
“Musica é perfume”, Cerveja alimento.
Quero uma jam infinita, musica e álcool, estou sedento.
O pub é aconchegante, mas prefiro uma taberna.
De poesia poderia eu viver, nessa boêmia eterna.
Degusto uma Stout, o gosto é de café torrado.
Cerveja encorpada e forte. Cremosa e deliciosa como um pecado.
O Spleen é a mais forte ressaca que perturba a alma
Vil, sublime, angustiantemente soturno.
Deixa-me macambúzio, circuncisfláutico, sorumbático e taciturno.
A Boêmia pode parecer vazia no dia-a-dia.
Nunca em seu momento auge, loucuras, mulheres, orgia.
Momentos do apogeu que me trazem a inspiração
Na ressaca ou na loucura, mão e mente em ação.
Cultuo a boemia quão quanto a amizade.
Com a sensibilidade alterada às vezes me dói à saudade.
Amizades sempre construídas com lealdade e companhia.
Dos amigos que moram longe, dos amigos de boêmia.


* Spleen --> Sentimento de melancolia extrema, uma angustia que não se sabe porque e não se têm a resposta.

14 comentários:

Perdição disse...

Leia mais sobre Spleen

http://pt.wikipedia.org/wiki/Spleen
www.biblio.com.br/conteudo/alvaresazevedo/SPLEEN.htm
www.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/S/spleen.htm
http://fleursdumal.org/poem/158
http://fleursdumal.org/poem/159
http://fleursdumal.org/poem/160
http://fleursdumal.org/poem/161

o cinemonático disse...

adorei!

Anônimo disse...

Perfeito irmão!

tive que usar o dicionario para algumas palavras!!
e essa Stout me deu agua na boca qdo a descreveu!!
e o resto é noixx parcero!!
continuee!!

o cinemonático disse...

cade? posta mais!!

Gabriela Vargas disse...

Ah, a boêmia.
É tão pertubadora e aconchegante ao mesmo tempo. Geradora de grandes textos, pensamentos e de muitas ressacas também.
Ah, a boêmia.
Só quem vive entende!
Parabéns, adoro teus poemas, poeta. :)

natalia regia disse...

nossa..
uma mistura de saudosismo,poesia e leve nuance de dor de cotovelo1
gostei!
:)

Natália Nunes disse...

Olá, Paulo.

Vim reiterar oq escrevi na comunidade do orkut.
Seu blog é muito bacana!

Me diverti com seu trêbado texto.

;)

L. disse...

Ótimo poema, cara!
Eu também prefiro uma taberna...
E prefiro vinho a cerveja...
Vinho é mais... poético!
=D

Visite-me, abraço.

Bina Goldrajch disse...

Querido, estava sapateando por entre os blogs e por acaso encontrei o teu.
Não preciso dizer que gostei muito!
Vejo que tem o mesmo gosto pelas palabvras que eu.

Adicionei-te na minha lista de blogs preferidos no meu blog, se puder faça o mesmo pelo meu! Ou ao menos dê uma visitadinha também.
Abraços! E parabéns!

Byra Dorneles disse...

Muito bom!
Gostei de Revoluçao contra o mal!
abs
www.myspace.com/byradorneles

L. disse...

Saudações!
Venho agradecer-lhe a visita.
Fizeram-me feliz.
Quase não vi seus comentários, já que foram feitos em postagens antigas... apenas agora os vi.

Abraço! =]

clotilde disse...

A vida boémia,
as noites sem fim,
os agudos dos topmpetes,
as bateria que não se cansa,
conversas soltas,
olhares fugases...

storytellers disse...

Oi Poesia e boémia. Coloquei acesso restrito ao blog, se quiseres continuar a aceder, tens q me enviar o teu e-mail do google(do blog) para eu te enviar o convite de acesso, podes enviar-me para storytellers7@hotmail.com
beijinhos
e-kerubina

fejão disse...

excelente muito bom mesmo, viva a Boêmia